os_preponderantesFim do colonialismo francês no Magrebe é ponto de partida de novo romance de Hédi Kaddour. Autor de vários livros de poesia, a sua estreia no romance valeu-lhe o Prémio Goncourt du Premier Roman; em 2015, com Os Preponderantes, venceu o Grande Prémio de Romance da Academia Francesa, o Prémio Valery-Larbaud, o Prémio Jean-Freustié, e foi finalista do Goncourt. Hédi Kaddour vai estar em Lisboa para apresentar este livro no dia 20 de outubro, às 19:00, no Institut Français du Portugal.
No epicentro desta história, que decorre no Magrebe nos anos 20, está a visita de uma equipa de filmagens de Hollywood que vem desestabilizar o já tenso ambiente entre magrebinos e franceses.

Na primavera de 1922, uma equipa de filmagens norte-americana vem de Hollywood para fazer um filme em Nahbès, uma pequena cidade no Magrebe. Este choque de modernidade aviva os conflitos entre os líderes tradicionais, os colonos franceses e os jovens nacionalistas apaixonados pela independência, apanhados então no vórtice de um mundo onde várias línguas, culturas diferentes e poderes antagónicos confluem.
De entre os mais influentes, um grupo heterogéneo embarca posteriormente numa viagem que, no rescaldo da Grande Guerra, une Nahbès aos países do Velho Mundo. Todos, os que ficam e os que partem, tentam reinventar as suas vidas, através da adaptação ou da rebelião, chegando por vezes a encontrar o amor.
Da Califórnia para a Europa, passando pelo Norte de África, as peripécias d’Os Preponderantes fazem-nos mergulhar na turbulência própria da década de 1920, quando a colisão dos diferentes modos de vida levou os seus protagonistas a confrontarem-se, a desejarem-se, a perseguirem-se, a mudar. Hédi Kaddour disseca essas vidas e esses destinos de uma forma atenta e precisa, que valeu a este livro, entre outras distinções, o Grande Prémio de Romance da Academia Francesa em 2015.

hedi_kaddourO AUTOR
Filho de pai tunisino e de mãe francesa, Hédi Kaddour é poeta e romancista, bem como tradutor e professor nas áreas da Literatura, Dramaturgia e Jornalismo. Em 2006 obtém o Prémio Goncourt du Premier Roman com Waltenberg, um belíssimo romance que, através de um enredo que combina espionagem e uma trama sentimental, mergulha na história apaixonante dos homens e da literatura do século XX.
Em 2015, com Os Preponderantes, recebe o Grande Prémio de Romance da Academia Francesa, o Prémio Valery-Larbaud e o Prémio Jean-Freustié.

Nota de Imprensa da Porto Editora.

Anúncios