obsessao_portugalidade_otaA Obsessão da Portugalidade, de Onésimo Teotónio Almeida, chegou às livrarias , publicado pela Quetzal.
Neste livro, o autor reflete sobre a identidade nacional e a cultura portuguesa – com especial destaque para a recente obsessão da Portugalidade –, abordando a língua, a saudade, a literatura, os valores, as mudanças culturais, os nossos medos e mitos fundadores.
Diante desta obsessiva busca de uma identidade (deficitária, perdida, indefinida), Onésimo Teotónio Almeida defende que – pelo contrário – Portugal sofre de excessiva identidade, e cuida-a com desvelos sentimentais e saudosistas. Esta marca é evidente tanto na literatura recente como num longo filão de autores que se dedicaram ao estudo e à invenção dessa identidade.
Onésimo vai mais fundo e, no tom (certo) que lhe é próprio, com a clareza que a distância lhe permite, e a sua mistura habitual de humor e erudição, analisa e disseca os nossos meandros identitários.
«Os intelectuais, bem como os cientistas sociais, ignorarão à sua própria custa esta questão da identidade. Ela não passará, todavia, por mais que eles lhe fechem os olhos. Poderá mudar de nome – e talvez até conviesse, dado que, como espero ter demonstrado, o termo hoje incorpora um complexo de realidades em simultâneo. Todavia, ainda que mudasse de nome, não deixaria de existir.»

Onésimo Teotónio Almeida é açoriano mas vive e ensina há 45 anos nos Estados Unidos. É catedrático no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros da Universidade de Brown (Providence, Rhode Island) – a prestigiada universidade onde se doutorou em Filosofia. É doutor Honoris Causa pela Universidade de Aveiro.

Nota de Imprensa da Quetzal.

Anúncios