para_la_da_geringonca_af“Para lá da «Geringonça»”, do politólogo André Freire, que chegará às livrarias no dia 10 de fevereiro, publicado pela Contraponto, nova chancela de não ficção do Grupo BertrandCírculo, explica o processo que levou à criação da «Geringonça» e o modo como ela pode, no fim de contas, funcionar. Com prefácio do primeiro-ministro António Costa, esta é uma análise que procura dar resposta a algumas questões fundamentais, nomeadamente: por que motivo, ao contrário do que aconteceu noutros países da Europa Ocidental a partir de 1989, uma soluções do tipo governo de esquerdas só chegou a Portugal em 2015? Que fatores explicam o surgimento desta solução governativa – pejorativamente designada de «Geringonça»? E, finalmente, que consequências terá, para o funcionamento dos sistemas políticos democráticos, a inclusão da chamada esquerda radical na esfera governativa, quer em Portugal, quer na Europa?

«Não me cabe substituir-me aos historiadores e cientistas políticos na análise e interpretação desta realidade, para o que este conjunto de trabalhos e artigos do Professor André Freire dá um interessante contributo. Romper esta assimetria era essencial para a qualidade da nossa Democracia. Para melhorar a governabilidade, para ser mais inclusiva e garantir maior diversidade de soluções.» (António Costa, no prefácio de “Para lá da «Geringonça»”).

André Freire é Professor Associado com Agregação em Ciência Política, Diretor do Doutoramento em Ciência Política, no ISCTE-IUL. Investigador do CIES-IUL. Tem lecionado e apresentado conferências como convidado em várias outras universidades portuguesas e estrangeiras, e tem dirigido vários projetos de pesquisa sobre ideologia (ao nível de elites e cidadãos), comportamento eleitoral e atitudes políticas, sobre instituições e reformas políticas, e ainda sobre representação política (http://er.cies.iscte-iul.pt/), assuntos sobre os quais tem publicado abundantemente, em livros e revistas académicas. Os seus títulos mais recentes são: Political Representation in Times of Bailout: Evidence from Greece and Portugal (publicado em Inglaterra, 2016, pela Routledge, em que é organizador, juntamente com Marco Lisi, Ioannis Andreadis e José Manuel Leite Viegas) e O Futuro da Representação Política Democrática (organizador, 2015). Foi colunista regular do jornal Público de março de 2006 até janeiro de 2016, mantém várias colaborações ocasionais na imprensa, rádio e TV, e tem sido ainda perito e consultor convidado de várias instituições nacionais e internacionais para os assuntos ligados ao ensino superior e à investigação em Ciências Políticas.

Contraponto é a nova chancela do Grupo BertrandCírculo dedicada à publicação de livros de não-ficção. Irá especializar-se em temas da atualidade, biografia e autobiografia, política, história contemporânea ou livros práticos e de referência.

Nota de Imprensa da BertrandCírculo.

Anúncios