Chegou às livrarias portuguesas uma nova edição de O Homem da Nave, de Aquilino Ribeiro, pela Bertrand Editora. O livro consiste num conjunto de crónicas da Serra da Nave e os homens que lá vivem, sendo que esta edição inclui prefácio do geógrafo Álvaro Domingues.


Em O Homem da Nave, Aquilino Ribeiro descreve o camponês serrano ardiloso, orgulhoso e batalhador, que segue os ritmos do ano e da terra, vivendo da caça, do campo, dos pequenos episódios do dia-a-dia. Lê-lo é sermos transportados para aqueles brejos e montes, para aquelas estações inclementes, é sentirmos que percorremos a Serra e conhecemos as pessoas com quem nos cruzamos pelo caminho.

«Compreende-se que o homem que teve a madrigueira na montanha ame a montanha. Ela lhe é dilecta como um lar comum e o alicerce dá sua psique.
A montanha criou pois o rebelde crónico e o lobo sem coleira. Nada de tutelas. Vassalos os da planície, que se civilizaram mais depressa e se deixaram penetrar por influências sopradas de todos os quadrantes. Senão repare-se: enquanto o camponês do vale põe a sua gabardine ou trincheira, o serrano guarda a capucha. Aquele calça botifarras à prateleira, o serrano tamancos de encouras, ferrados de grossas brochas poliédricas. Um traz relógio no pulso, outro o cebolão com o pinto à dependura. Ainda se encontra também pelas falperras alpestres o velhote bem-falante e salomónico, ajoujado às vezes de suíças, umas suíças antediluvianas, grisalhas e nédias, sombreando o rosto como duas labaças tropicais.»

Aquilino Ribeiro é considerado um dos romancistas mais fecundos da primeira metade do século XX, tendo deixado uma vasta obra em que cultivou todos os géneros literários. O lançamento deste livro está marcado para o dia 27 de maio, na Serra da Nave, permitindo recordar, na data da sua morte, a importância da sua obra. Mais informações sobre o evento serão divulgadas brevemente.

Aquilino Ribeiro nasceu na Beira Alta, concelho de Sernancelhe, no ano de 1885, e morreu em Lisboa em 1963.
Deixou uma vasta obra em que cultivou todos os géneros literários, partilhando com Fernando Pessoa, no dizer de Óscar Lopes, o primado das Letras portuguesas do século XX.
Foi sócio de número da Academia das Ciências e, após o 25 de Abril, reintegrado, a título póstumo, na Biblioteca Nacional, condecorado com a Ordem da Liberdade e homenageado, aquando do seu centenário, pelo Ministério da Cultura. Em Setembro de 2007, por votação unânime da Assembleia da República, o seu corpo foi depositado no Panteão Nacional.

Nota de Imprensa da Bertrand.

Anúncios