Da autoria de um dos mais destacados estudiosos de temas da Cultura Portuguesa da última década, esta é uma obra fundamental para todos os que se interessam pela história, cultura e identidade nacionais.

Miguel Real aponta, nesta obra, as constantes históricas e as irrupções daqueles que considera serem os quatro complexos culturais que, cruzados, «constituem a representação mental geral dos portugueses que historicamente o têm definido como povo: o complexo viriatino (de Viriato; povo humilde mas ousado), o complexo vieirino (de padre António Vieira; povo que supera as próprias forças e dimensão territorial atingindo níveis históricos grandiloquentes), o complexo pombalino (de Marquês de Pombal, povo que imita acriticamente tudo o que no estrangeiro é nomeado com sucesso, considerando o que provém do exterior superior ao que é nacional) e o complexo canibalista (um povo embrutecido e fanatizado, mesquinho, invejoso e bárbaro que, desde a segunda metade do século XVI, com alguns intervalos de liberdade, vive na ânsia de agradar a chefes e instituições numa ortodoxia
capaz da denúncia, da prisão, da tortura e da morte do adversário).»

Miguel Real, formado em Filosofia, especialista em cultura portuguesa e investigador do CLEPUL – Centro de Literaturas e Culturas Europeias e Lusófonas da Universidade de Lisboa,
Miguel Real (n. Lisboa, 1953) tem publicado – além da obra ficcional e dramatúrgica que o tornou conhecido do grande público – um conjunto de estudos sobre figuras e temas da nossa cultura, que faz dele um dos mais constantes e produtivos pensadores da actualidade neste domínio.
Traços Fundamentais da Cultura Portuguesa traduz a mais recente reflexão do autor sobre o tema, e constitui uma sequência imprescindível de Introdução à Cultura Portuguesa, também publicado pela Planeta.

Nota de Imprensa da Planeta

leia aqui a minha recensão

Anúncios