Um livro com uma amostra ecléctica de crónicas que responde à maioria das questões levantadas em alguma parte da nossa existência, com o cunho carismático e irreverente de José Couto Nogueira, este livro torna-se numa espécie de manual de auto-ajuda com respostas nem sempre expectáveis.

A Inquietud’E tem o prazer de publicar o novo livro de José Couto Nogueira, com o lançamento a acontecer no próximo dia 29 de Novembro de 2017, pelas 19h00, no Espaço de Santa Catarina, em Lisboa.

 

Esta é uma obra pertinentíssima, numa sociedade fortemente abalada pela crise de valores, onde os padrões são tantos como os actores, nada como um quase manual de sobrevivência para aferir a conduta. Numa linguagem rica e cheia de expressões idiomáticas, provérbios e metáforas, a qualidade literária de algumas respostas empresta ao texto uma dinâmica que raramente se encontra em textos deste género.

Este livro surge de uma selecção de crónicas publicadas nos primeiros anos do jornal “i”, onde o autor escrevia uma página semanal, a “Coluna Vertical”, que respondia a questões dos leitores sobre situações da mais variada ordem, dando uma solução que estivesse dentro do campo da Ética. Com o tempo apareceram diversas questões que são, agora, agrupados neste “A namorada infiel, o amigo incompetente e outras crónicas sobre o sentido da vida” e que tanto podem ser lidas como pequenos contos, como ser usadas para tomar decisões difíceis.

É importante esclarecer  que as respostas foram dadas: “considerando que a Ética está num plano diferente da Moral. Em termos práticos, a ideia era encontrar uma solução que permitisse ao decisor causar o menos estragos possíveis a outrem e dormir descansado…”, afirma o autor José Couto Nogueira.

Sobre “A namorada infiel, o amigo incompetente e outras crónicas sobre o sentido da vida”

Agrupadas em quatro grandes temas, multiplicam-se as histórias de vida que recorrem ao aconselhamento, com questões diversas e problemáticas, que podiam ser de qualquer um de nós, desafiando o autor a analisá-las e sugerir a melhor linha orientadora.

Das questões amorosas, às familiares, passando pelas profissionais ou pelas existenciais, há casos de todos os tipos, com os quais o leitor se identificará, despertando-lhe a curiosidade para o aconselhamento que o autor dará a cada um deles e que poderá servir-lhe na primeira pessoa.

Num texto que se revela absolutamente delicioso dado o pensamento acutilante e o discernimento rigoroso do seu autor e escrito sob a égide do humor que o premeia, encontramos ajuda nas pequenas grandes questões que se insurgem no nosso quotidiano e a que muitas das vezes não conseguimos responder. As personagens desfilam, os casos de vida, as duvidas legitimadas pela necessidade sentida de as esclarecer.  Uma sociedade atual pintada a cru por quem a vive, o preto no branco a iluminar o universo cada vez mais cinzento da ética humana.

 

Sobre o Autor

José Couto Nogueira nasce em Lisboa, em 1945. Estuda Economia em Lisboa e Londres, mas a sua primeira profissão é fotógrafo, primeiro de publicidade, depois de imprensa (“Jornal Novo”). Os primeiros textos são publicados na revista “Cinéfilo”.

Vive dez anos em São Paulo, onde troca definitivamente a fotografia pelo jornalismo. É repórter, colunista, redactor e editor de revistas como a “Inteview”, “Playboy” e “Vogue”.

Vive nove anos em Nova Iorque onde trabalha como arte-finalista, vendedor de produtos para artistas, barman e motorista de táxi, sendo correspondente do jornal “O Estado de São Paulo” e da revista de música “Bizz”, entre outros.

De volta a Lisboa é redactor, editor, e colaborador em publicações como a “Exame”, “DEmais”, “Ícon”, “GQ” e “Sapo24”. Faz um programa de televisão, “Metrópolis”, no CNL, e edita o site “Alface Voadora”. Orienta um curso de escrita criativa no Âmbito Cultural do “El Corte Inglés”.

Escreve quatro guias de viagem para a série “Descubra Portugal” (Ediclube, 2005). Traduz literatura anglo-saxónica — Charlote Bronte, Mark Twain, Edgar Allen Poe e Henry Miller, entre outros.

É autor dos romances “Táxi” (Dom Quixote, 1999), “Vista da praia” (Dom Quixote, 2001), “Pesquisa sentimental” (Livros d’Hoje, 2009), uma colectânea de contos, “À procura da felicidade e outras histórias da era digital” (Resistência, 2012) e um livro didáctico “Apontamentos de escrita criativa” (Arranha–céus, 2016)

Nota de Imprensa da Inquietud’E.

a minha leitura