Como seria se contasse toda a verdade e o mundo todo o ouvisse? E se vivesse num país afundado num pântano de afronta internética? E se fosse uma mulher numa sociedade que odeia mulheres?
Com a São Francisco do ano 2013 como pano de fundo, Odeio a Internet oferece um hilariante e obsceno retrato da vida das vítimas do boom digital.

Enquanto biliões de tweets alimentam o avanço da gentrificação nas cidades e os destroços humanos se empilham por todo o lado, um grupo de amigos sofre as consequências de se ser desnecessário num mundo novo que despreza os que não têm relevância e os que não dão lucro.

Neste seu primeiro romance, Jarett Kobek aborda questões prementes do nosso tempo: por que motivo aplaudimos o enriquecimento de CEOs à custa dos fracos e dos que não têm poder? Por que razão desbaratamos a nossa propriedade intelectual? Porque é que o ativismo do século XXI não passa de uma série de lições de moral digitados em dispositivos construídos por escravos? Eis, finalmente, uma explanação da Internet com o detalhe mais cru possível.

Nota de Imprensa da Quetzal.

 

Anúncios