Ensaio escrito como um romance, ao longo das nove partes de Os Testamentos Traídos desfilam e cruzam-se as mesmas personagens: Stravinski e Kafka acompanhados dos seus curiosos amigos, Ansermet e Brod;

 

Hemingway com o seu biógrafo; Janacek com a sua pequena nação; Rabelais com os seus herdeiros, os grandes romancistas. Todos eles são evocados para discutir diversas questões intelectuais do século xx, relacionadas sobretudo com a música e a literatura, assim como os principais temas que preocupam o autor. Kundera é um defensor apaixonado dos direitos morais do artista e do respeito devido a uma obra de arte e aos desejos do seu criador. A traição de ambos – muitas vezes levada a cabo pelos seus defensores mais apaixonados – é uma das ideias-chave deste livro brilhante e original.

Uma homenagem à literatura e à música pela pena de um dos mais celebrados escritores contemporâneos.

Tradução de Miguel Serras Pereira.

Nota de Imprensa da Dom Quixote.