O Sol da Meia-Noite | Jo Nesbø

Neste policial, o autor nórdico regressa ao tema já explorado em Sangue na Neve: um cobrador de dívidas e assassino profissional, fama que granjeia por acidente, decide alterar o destino encomendado para a sua vitima. Uma má decisão, uma vez que se encontrava ao serviço do Pescador.

Ulf não é uma reedição de Olaf, de comum, têm esse lado de homens duros e simultaneamente frágeis, homens em busca de um refúgio que só uma presença feminina pode oferecer.

O autor abre o romance com o protagonista em fuga e por não saber por onde começar, lança o leitor bem no meio da confusão. Ulf refugia-se numa aldeia da Lapónia depois de escapar ao ajuste de contas com o Pescador, fugindo no último momento ao tiro certeiro do assassino enviado para o abater. Certo de que o Pescador não desiste, sabe ter apenas ganho algum tempo.

O meio pequeno de uma aldeia de pescadores na Lapónia não se revela o local mais tranquilo e seguro para um homem do Sul passar despercebido. A escrita de Jo Nesbø é eficaz e solta; a cena de pugilato em que Ulf se vê envolvido, nada tem de mecânico e os gestos perdem-se com elegância na noite clara da Lapónia. Os momentos de tensão são bem delineados e prendem a atenção do leitor, brindando-o, ocasionalmente, com o deleite de um bom apontamento: Rimo-nos. Ouvi atentamente a risada dela. A de Bobby fora leve e borbulhante, como um riacho animado. A da Lea era uma nascente. Não, um rio que flui lentamente.

Jo Nesbø revela toda a sua mestria no final, quando o homem, destinado a matar o reflexo, sem saber muito bem o que isso quer dizer, acaba por cumprir a sua missão e ao fazê-lo, encontra uma saída para si próprio. Ulf, o assassino profissional, mata. Novamente, um equivoco coloca-o nessa situação. Um homem, mesmo em fuga, está sempre a caminho do seu destino.

Temos um tempo destinado, queimamo-lo até ao filtro e depois acaba-se tudo, para sempre. Mas a ideia é queimar até ao filtro e não apagamo-nos antes disso. Bem, talvez essa não seja a ideia principal disto tudo, mas neste momento era o meu objetivo. Na verdade, estou-me a lixar para a ideia principal disto tudo.

sobre o livro