No momento em que as decisões dos «especialistas» se orgulham de ser o resultado de estatísticas anónimas e frias, desobedecer é uma declaração de humanidade.

«A desobediência, face à absurdez, à irracionalidade do mundo como se acha, é uma vidência. Porquê desobedecer? Basta abrir os olhos.» Partindo desta premissa, Frédéric Gros procura estas páginas dar resposta a uma outra pergunta: se é «tão fácil concordar-se acerca da desesperança da actual ordem do mundo», por que razão é «tão difícil desobedecer-lhe»? Numa minuciosa reflexão filosófica que vai de A Desobediência Civil de Thoreau ao Discurso sobre a Servidão Voluntária de La Boétie, passando pelo julgamento de Eichmann segundo Arendt ou por Jesus Cristo em Dostoievski, Desobedecer (2017) desenterra as raízes da obediência política e do respeito pela autoridade, pondo em causa certezas adquiridas, convicções morais e convenções sociais — e leva-nos a revalorizar a responsabilidade política. Quando o consentimento democrático não se distingue da submissão a injustiças, Desobedecer é um apelo à resistência ética, à força colectiva que nasce, antes de tudo, na consciência de cada um de nós.

Frédéric Gros, nascido em 1965, é um influente e mediático pensador francês, professor de Filosofia na Universidade de Paris X e curador da obra de Michel Foucault na Pléiade. Em artigos, ensaios e romances, além de numerosos estudos filosóficos, escreveu sobre direito, política, psiquiatria ou a guerra. Marcher, une philosophie (2008), manifesto cristalino que propõe um vínculo entre o acto de pensar e o de caminhar (seguindo o exemplo das caminhadas de Thoreau, divagações intempestivas de Rimbaud, jornadas montanhesas de Nietzsche ou excursões citadinas de Kant), revelou-se um best-seller inesperado. Com Desobedecer(2017), obra que convoca a coragem e a consciência dos indivíduos para a insubmissão, Frédéric Gros converteu-se numa inspiração de protestos e movimentos contestatários na Europa e numa das referências contemporâneas da apologia da transgressão.

Nota de Imprensa da Antígona.