Pesquisar

Acrítico

Leituras dispersas

Etiqueta

Manuel Alegre

Jornada de África | Manuel Alegre

Jornada de África | Manuel Alegre

Esta é a história do alferes Sebastião e de um Alcácer Quibir do avesso, de como os homens se perdem de vista quando a morte os surpreende. O ato de loucura de um povo que leva a morte além-mar, pela força das armas e obstinação de um velho cacique, pelo direito histórico, inalienável, de fazer suas as terras de outros povos. O alferes Sebastião marcha com a única lucidez possível, pela honra de não se furtar ao destino que foi imposto à sua geração, obrigando-se, contudo, a refrear todos os excessos, denunciando-os se tal fosse o caso. Continue reading “Jornada de África | Manuel Alegre”

Featured post

” Manuel Alegre

E novamente o medo. O medo antes deste medo do outro lado do mar. O medo de cada dia, de cada noite, por vezes da cada hora. Estava por dentro, sentava-se na mesa ao lado, ouvia, espiava, perscrutava, rondava na praça, seguia passo a passo pela rua, insinuava-se no sono, retinia no telefone a meio da noite, Continue reading “” Manuel Alegre”

” Manuel Alegre

Passeava com ela uma tarde no Parque, quando de repente percebeu: a guerra já estava ali. Havia uma sombra por dentro dos rapazes e raparigas que se sentavam à beira do rio. Eles riam, falavam, beijavam-se, sentavam-se de mãos dadas nos bancos de pedra. Mas uma sombra crescia dentro deles, escurecia o olhar, apagava de súbito os risos e as conversas. Continue reading “” Manuel Alegre”

Jornada de África | Manuel Alegre

Nova edição, a quarta, com nova capa daquele que é o primeiro romance de Manuel Alegre, publicado em 1989, e sobre o qual Maria Luisa Cusati, no prefácio da edição italiana, escreveu o seguinte: “Jornal de África é um romance que foge aos esquemas habituais para entrelaçar epopeia e anti-epopeia, denúncia e crónica de uma guerra cruel, crónica minuciosa mas poética na intertextualidade a que o autor recorre para transmitir a sua vivência, voz de juventude sufocada que, apesar de tudo, consegue amar. E o amor por Bárbara, profundo e difícil, oferece-nos uma das mais belas cartas de amor que me recordo de ter lido.”

Continue reading “Jornada de África | Manuel Alegre”

O Canto e as Armas, de Manuel Alegre

o-canto-e-as-armasUm livro singular na história da poesia portuguesa contemporânea: foi, porventura, o livro mais cantado; Adriano Correia de Oliveira, entre outros, interpretou alguns dos seus poemas e gravou, em 1969, um álbum intitulado, precisamente, O Canto e as Armas;

Continue reading “O Canto e as Armas, de Manuel Alegre”

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑