Pesquisar

Acrítico

Leituras dispersas

Etiqueta

Manuel San-Payo

Quatro Cantos do Mundo, Cristina Carvalho

Quatro Cantos do MundoQuatro Cantos do Mundo by Cristina Carvalho

A escuridão é a parte mais difícil da vida, aqui e em todo o lado.

Quatro Cantos do Mundo é uma viagem ao planeta Terra, ao seu lado mais profundo, desconhecido e misterioso. Um devaneio literário como lhe chama a autora, uma viagem por locais físicos, percorridos pelo olhar irrequieto da nossa imaginação. Recantos apenas acessíveis a um devir poético. São quatro contos entregues a um narrador que nos chega do infinito universo, ele próprio viajante das estrelas e que nos fala a partir do ponto de vista das crianças ou dos jovens. Só a curiosidade de um coração puro vence o medo do desconhecido e só uma mente livre do peso do bem e do mal consegue escutar a voz pela qual a natureza nos fala. Então, todas as viagens se tornam possíveis. Na Casa Verde o feiticeiro da aldeia, o homem mais sábio, foi em tempos um menino que subiu ao dorso de uma ave e a quem lhe foi dado o privilégio de ver o mundo a partir de uma perspetiva radicalmente diferente. Regressou já homem de idade feita, dotado de uma sabedoria para além do dizível.

Os grandes viajantes e descobridores aqui homenageados ofereceram-nos uma visão do mundo que, de outra forma, não teríamos a possibilidade de abarcar. Alimentaram com coragem a sua sede de conhecimento e empurram os limites do nosso saber. Chegaram lá antes de se terem perdido. Mais do que dar a conhecer, alimentaram os sonhos de tantas crianças, jovens e adultos. Encontraram na imensidão, que nos devolve à nossa pequenez, a consciência de sermos apenas mais um habitante deste planeta, um entre muitos. Não faz parte da nossa condição humana sermos o centro do mundo, o objetivo final de tudo o que existe. Nessa imensidão incalculável tudo era uma sede impossível de ser satisfeita.

Continue reading “Quatro Cantos do Mundo, Cristina Carvalho”

Contos Capitais

Contos CapitaisContos Capitais by Varios

Neste livro, como uma página em branco, confiou-se uma cidade a cada escritor. Trinta escritores para trinta contos, para trinta capitais, um mundo de Contos Capitais.

Filipa Vera Jardim reinventou com desassombro o mito do estripador de Londres. Um estripador de sonhos, de consciências ocultas nas sombras que projetamos, capaz, de um só golpe, resgatar toda a memória, de extirpar a rotina exausta de uma vida de semiexistência.

Baptista Bastos abre uma varanda a um momento de reflexão e fá-lo numa escrita doce e tranquila.

Maria do Rosário Pedreira oferece-nos uma Paris onde uma família vê sua felicidade ameaçada pela sombra da doença e é resgatada por quem procura alimentar-se dessa fragilidade.

Continue reading “Contos Capitais”

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑