Pesquisar

Acrítico

Leituras dispersas

Etiqueta

Mário de Carvalho

Mário de Carvalho | Feira do Livro

Mário de Carvalho estará no espaço Autores que nos unem já este sábado, dia 3. Não perca a oportunidade de estar à conversa com um dos mais aclamados autores portugueses! A partir das 15:30.

Anúncios

Evangelha | David Toscana

Apresentação do livro Evangelha, de David Toscana, no auditório do Instituto Cervantes de Lisboa, dia 24 pelas 18:30. Apresentação de Mário de Carvalho.

O livro grande de Tebas navio e Mariana

tebas_mdcEm 1982 Mário de Carvalho publicava o seu primeiro romance, O livro grande de Tebas navio e Mariana, aquele que seria o ponto de partida para a obra do autor que, na altura, «já era escritor». Continue reading “O livro grande de Tebas navio e Mariana”

Ronda das mil belas em frol

ronda_MdCRonda das mil belas em frol fala sobre aventuras amorosas e fugazes, fala sobretudo sobre sexo, na perspetiva do protagonista que, num tom diarístico, vai narrando os seus encontros, numa exaltação ao sexo feminino: «Destarte continuarei enquanto as forças mo permitirem. Continue reading “Ronda das mil belas em frol”

Álvaro Laborinho Lúcio

convite_o-homem-que-escrevia-azulejosÁlvaro Laborinho Lúcio lança o seu segundo romance, O Homem Que Escrevia Azulejos, no próximo dia 21 de setembro, às 18h30, no Salão dos Espelhos da Casa do Alentejo.
O romance será apresentado pelo escritor Mário de Carvalho. Continue reading “Álvaro Laborinho Lúcio”

Mário de Carvalho

pe-mdcNo próximo dia 11 de setembro, às 18:00, o auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett recebe Mário de Carvalho, um dos mais importantes escritores portugueses dos nossos dias, numa sessão integrada no programa da Feira do Livro do Porto. Continue reading “Mário de Carvalho”

A Liberdade de Pátio, de Mário de Carvalho

Liberdade de PátioLiberdade de Pátio by Mário de Carvalho

Mário de Carvalho oferece-nos, na sua inconfundível escrita, um conjunto de narrativas curtas onde o insólito, a sua invulgar capacidade de observação e um apurado sentido de humor, são o fio condutor que nos prende à leitura. No primeiro conto, um jovem percorre a cidade com uma delicada missão: entregar a cabeça de Mânlio. A reação das pessoas muda quando se apercebem de que ele transporta a cabeça de Mânlio e, nesse momento, o discorrer dos seus dias, o que os ocupava até esse momento, parece esvair-se de sentido.

Levantei um pouco o braço e confirmei, suspendendo a caixa com a cabeça de Mânlio em frente dos olhos deles. Acalmaram-se ambos, não sem algum rancor.

As situações, para nosso deleite, são narradas com uma invulgar amplitude lexical. Os diversos personagens parecem aceitar com resignada estoicidade o estranho destino que lhes é imposto. Como se tivessem sido apanhados num momento errado e ao qual não faz sentido resistir. Vítimas de uma ordem excêntrica e de um esmerado apego ao rigor. Como o detido professor a quem, todos os dias, é servido pão e água numa baixela de prata; ou a promessa a que ficamos vinculados de comprar o passe social num dado guichet. Como se a vida, pela via da palavra, estivesse presa a uma fóbica questão de princípio. E nesse caso, o máximo a que podemos almejar, é que nos seja concedida a liberdade de pátio.

… e cada um dos olhos, quase estrábicos, parecia espreitar o que o outro via.

 

O Homem do Turbante Verde

O Homem do Turbante VerdeO Homem do Turbante Verde by Mário de Carvalho

“Quanto ao professor, estava manifestamente a mais nesta fase da expedição e todos pareciam concordes com isso.”

A trama parece, desde o início, revelar o seu desfecho final, como se no plot traçado não tivesse implícito um volte face. Uma mestria que faz destes contos uma verdadeira aventura para o leitor. São vários os ambientes percorridos por estas narrativas, desde os mais exóticos, ao conturbado período de sobrevivência à ditadura portuguesa. Em todos, um tema comum, uma certa crueldade que parece contida na mente e atitudes dos homens, que se liberta ao sabor do acaso ou do destino. Um mal sem objectivo aparente ou moral assertiva.

Continue reading “O Homem do Turbante Verde”

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑